Brígida Baltar, ‘a minha mão que arde’, 2016, Galeria Nara Roesler