Gustavo Rezende, ‘Taj Mahal e a possibilidade do amor na era do cubo epistemológico’, 2000, Marsiaj Tempo